Pois o Posto de Saúde do Lagoinha, reconstruído ao custo de mais de 1 milhão de reais, não abre porque não tem funcionários

Para que serve um posto de saúde, se não atende a ninguém? - Por Sergio Pires

No Japão, um buraco de 15 metros no asfalto foi coberto em uma semana. Só após atender as necessidades dos moradores é que as autoridades se preocuparam com a burocracia. Lá, no terrível terremoto, seguido de um tsunami devastador, uma rodovia destruída foi reconstruída em poucas semanas. Lá é lá, não é o Brasil, onde qualquer um que se ache autoridade tem poder de interromper uma obra, não importa o quanto ela seja vital para a população. São milhares de exemplos. Mas há um, em Porto Velho mesmo, que deixa a gente sem saber se as autoridades que elegemos (e as que não elegemos, mas que se acham tão ou mais importantes do que os que chegaram ao poder pelo voto), perderam realmente o senso de humanidade e respeito, principalmente pelos mais necessitados. Um posto de saúde, com uma boa estrutura, foi construído no bairro Lagoinha e concluído em 2013. Vários meses depois, mesmo com tudo pronto (até com bons e novos equipamentos), a população, que não suportava mais o abuso, com um posto de saúde pronto e equipado, mas que nunca atendeu ninguém, explodiu de raiva e destruiu boa parte do prédio e do que tinha dentro dele. Claro que foi um erro coletivo, mas a reação foi humana, vinda de quem não suportava mais o desleixo, a burocracia infernal, que impediam que uma obra vital, feita com dinheiro dos seus impostos, continuasse lá, como um elefante branco, enquanto os doentes ficavam abandonados.

Três anos depois, reconstruído, lá está o mesmo posto, pronto, mas novamente com suas portas trancadas. O mato tomando conta. E os doentes da região tendo que percorrer outros bairros, à procura de atendimento. Pois o Posto de Saúde do Lagoinha, reconstruído ao custo de mais de 1 milhão de reais, não abre porque não tem funcionários. É uma falta de planejamento, de respeito, de vergonha na cara. São essas coisas que enfurecem o contribuinte. É esse mal que destrói a credibilidade na classe política. Desrespeito puro. E o povo, doente, morrendo sem atendimento. Lamentável!

O MP PÔS SEU DEDO!

Finalmente, uma ação prática em relação ao garimpo ilegal de ouro no rio Madeira. Tanto o Ministério Público Federal quanto o Estadual “sugeriram” (ou seja, na prática, deram uma ordem!), de que dragas e balsas apreendidas nas ações das polícias, sejam destruídas e não fiquem sob responsabilidade ou guarda dos seus proprietários. Antes, nas operações, os donos ficavam como fieis depositários do bem apreendido. Ou seja, fazia-se de conta de que havia algum tipo de perda para quem burlava a legislação e todos saíam contentes. O MP entrou de sola no assunto. Agora, quando forem pegos garimpando no rio Madeira, os dragueiros e balseiros perderão seus bens, que poderão ser destruídos ou utilizados para fins sociais. A fiscalização, embora pequena e insuficiente, ao menos agora tem uma determinação para que aja de forma diferente, fazendo com que a lei seja cumprida.

LUAN DA TV

Mais uma cara nova da política rondoniense começa a aparecer na mídia. O jovem Luan da TV, de apenas xxx anos, filho do deputado estadual Aélcio da TV (o parlamentar mais votado da Capital), conversa com Sérgio Pires, no programa Direto ao Ponto deste sábado, a partir das 10h20 da manhã (Record News, Canal 58 e site Gente de Opinião e SICTV, entre outros), falando dos seus planos, ideias e projetos. Luan já avisou, por exemplo, que vai abrir mão de todas as verbas indenizatórias, o que representará uma economia aos cofres públicos de mais de 300 mil reais por ano. Seu mandato de quatro anos teria, por esse cálculo, um custo a menos de 1 milhão e 200 mil reais. Se a ideia do jovem político fosse compartilhada por todos os seus pares, em quatro anos, a Câmara da Capital economizaria nada menos do que 25 milhões de reais. É ou não uma visão nova em relação à gastança absurda do dinheiro público?

COMPRADORES DE VOTOS

Dois governadores do Rio presos. Sérgio Cabral, por corrupção e  Antony Garotinho, por compra de votos. Esse sairá logo, é claro, mas ao menos passou o vexame de ser levado pela Polícia Federal, acusado de participar um esquema de compra de votos na região de Goytacazes, nas eleições estaduais de 2014. As eleições no Brasil ainda são machadas por essa prática hedionda, embora poucas vezes alguém é pego com a mão na massa e, mais que isso, quando pego, só em alguns casos tem a punição que merece. Já houve governador que perdeu o mandato por ter oferecido uma só cesta básica, o que foi uma exceção, até porque milhões de reais usados na compra ilegal de votos passam ser serem flagrados pelas autoridades. Em Porto Velho e em Rondônia, na última eleição municipal, o dinheiro sujo para compra de votos correu solto, mas não há, ao menos até agora, sequer alguém denunciado. Tudo é feito tão às escondidas, que fica difícil provar. Por isso, quando alguém é pego, deveria receber punição exemplar. Mas, é sempre bom lembrar, aqui é o Brasil....

O RIO EM RUÍNAS...

Já sobre a prisão de Sérgio Cabral, vale a pena reproduzir a brilhante afirmação do juiz Sérgio Moro, falando sobre os motivos de mandar mais esse ladrão para a cadeia. Vejam só: “"A necessidade da prisão faz-se ainda mais presente, diante da notória situação de ruína das contas públicas do Governo do Rio de Janeiro. Constituiria afronta permitir que os investigados persistissem fruindo em liberdade do produto milionário de seus crimes, inclusive com aquisição, mediante condutas de ocultação e dissimulação, de novo patrimônio, parte em bens de luxo. Enquanto isso, por conta da gestão governamental aparentemente comprometida por corrupção e inépcia, impõe-se à população daquele estado tamanhos sacrifícios, com aumento de tributos, corte de salários e de investimentos públicos e sociais. Uma versão criminosa de governantes ricos e governados pobres", disse o juiz.

OU MUDAMOS OU MORREMOS...

O que fazer com dois canalhas covardes, que invadem um local de trabalho onde um trabalhador lutava para sobreviver e o matam a sangue frio? Merece o que, gente desse tipo? A morte do cabeleireiro J Albuquerque, no bairro Tancredo Neves, é desses episódios em que a gente desacredita mesmo que haja esperança de que voltaremos, um dia, a viver em paz, dentro de nossas casas e do nosso local de trabalho. Os dois assaltantes chegaram, ameaçaram, atacaram e feriram gravemente o pobre trabalhador, uma pessoa cheia de amigos, que ajudava a quem pudesse e sempre que pudesse. Mesmo socorrido, a vítima morreu horas depois no hospital. Os dois bandidos, menores – e isso é que deixa todas as pessoas de bem desesperançadas – quando pegos, serão tratados como vítimas e não como cruéis assassinos. Em breve, estarão soltos, para matar de novo. Não dá mais para conviver com leis que beneficiam o crime. Sem isso, não haverá mais segurança para nenhum brasileiro decente.

PERGUNTINHA

Qual o político famoso  desse país que vai parar atrás das grades nesses próximos dias, depois de dois ex governadores cariocas serem trancafiados como criminosos?

Fonte: Sergio Pires

Comentários: